segunda-feira, 27 de junho de 2011

Uma vida

Nas madrugadas de sábado
Eu quis enfrentar um bom período sem desabafar, mas não deu certo. Ouvi opiniões, entendi certas razões, conheci pessoas e pessoas me conheceram. Entendi algumas coisas, destravei memórias e em memórias mergulhei. De certa forma o fato que eu esperava não aconteceu, mas ainda não pude deixar de notar a mudança. Sim, mudança essa que me faz ver.
Queria saber falar de outras coisas, queria falar de escafandros, por exemplo, mas não entendo nada de escafandros. É uma pena que certas coisas ainda estejam fora do meu alcance, não digo com relação ao escafandro, mas com relação às coisas contrárias que ocorrem na minha vida. Eu vou fazer um novo quadro de mim mesma, pintar uma nova Isabele, traçar novos horizontes, mudar minhas cores...
De infinito em infinito eu me decaio em solidão e de eternidades me alimento, tempo é minha palavra-chave, e entendimento minha bússola. Uma pequena e sutil mudança...
Agora vou ouvir algumas músicas legais, assistir seriados, desenhar, tocar violão, blá blá blá...