sábado, 23 de julho de 2011

Há uma criança sorrindo
Aos pés de Nosso Senhor
Felizinho da morte
De se encontrar com Deus
Ele não vai ver mais nada
Nem tiros, nem maldades
Nem fome, nem doença
Nem sua mãe chorando
Nem seu pai se humilhando
Nem seus irmãos padecendo
Nem seus vizinhos matando
Ou os velhinhos sofrendo
Nem seus amigos se perdendo
Em drogas, crimes
Nem calamidades ou guerras
Ele só vê a luz
 A luz do Criador
Quem morreu pequenino
Não conhece o destino
De quem só conhece a dor
Vira anjo de ternura
Ajudando Deus com a criatura
Mais complicada que Ele criou
Será que Deus sabia
Do trabalho que teria
Com a obra que inventou?
Vai, anjinho
Ajudar o Papai do Céu
Abrandar os corações
Da humanidade cruel


(Cibele Baptista)