quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Gosto mesmo

Eu gosto de pipoca queimada, de bicicleta, de filme dramático, de roer unhas e estralar os dedos. Eu gosto de jogos de videogame, guitarra, gosto de lápis de cor, de canecas, gosto do Snoopy, gosto de cheiro de livro novo. Gosto do cheiro da minha mãe, gosto de ursinhos de pelúcia, de literatura erótica culta, gosto de literatura brasileira dos quarentões, gosto de ler os quadrinhos dos jornais. Gosto de assistir filme. Seriado, desenho, jornal, novela. Gosto de sonhar, fantasiar minhas desilusões. Fantasiar histórias mirabolantes do que poderia ou do que realmente oirá acontecer. Gosto de olhar no espelho e fazer careta. Gosto de escovar os dentes na sala olhando a televisão desligada de manhã.
Gosto de manipular. Gosto de escrever, de desenhar, de tocar violão. Gosto de refletir parecendo uma drogada deitada na minha cama antes de dormir. Gosto de tomar banho ouvindo música (mesmo correndo o risco de criar uma rede de eletricidade pela umidade no banheiro e morrer eletrocutada), gosto de dramatizar, como pode ver.
Gosto de tudo o que me faz lembrar algo bom. Gosto de andar sozinha, mas acompanhada também não é nada mal. Gosto de fazer bagunça e não arrumar. Gosto de arrumar minha bagunça, gosto de ir contra o que digo. Gosto de buttons, de bolacha Maria, de leite com Nescau, de anel na mão esquerda. Gosto de cuidem de mim quando estou dodói. Gosto de ser mimada.
Gosto de pinturas. Gosto de imaginar como serão os rostos dos meus filhos e dar um nome pra cada. Gosto de cantar baixinho, de abraçar e beijar. Gosto de vídeos antigos, vídeos de família. De música francesa, filmes franceses, línguas de franceses. Ok gosto de tudo um pouco.