sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Não era mais





Não era nunca mais pra isso acontecer

Não era mais

Não era não mais nem se quer
Por obra do acaso outra vez você
Puro e simplesmente assim

Não era nunca mais pra você precisar saber de mim

Mas nem por um capricho só

Não era mais pra gente se esbarrar
Eu já não ando pro seus lados
E nem você pros meus

Não era nunca pra gente sentar à meia luz

E bem naquele bar

Com tanto vinho
Não era nem pra gente ainda ter tanto a dizer
E tudo tão comum
Horas a fio

Não era pra nem mais um dia nessa vida você me beijar

Não era, nunca disse imaginar

Que a gente poderia ser de novo aquele par

Então me queira forte, tanto, que antes nunca

Eu te convido agora e sempre pra voltar

Não era nunca mais pra isso acontecer

Não era mais

Não era não mais nem se quer
Por obra do acaso outra vez você
Simplesmente assim

Não era nunca mais pra você precisar saber de mim

Mas nem por um capricho só

Não era mais pra gente se esbarrar
Eu já não ando pro seus lados
E nem você pros meus

Eu não ando pro seus lados

E nem você pros meus


(Anna Ratto)