quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Prólogo 2



"Ele a abraçou e assim se deixou ficar, juntinho a ela, inteiramente envolvido pela sensação de já ter vivido aquilo antes… Fechou os olhos e tentou lembrar quando vivera aquela mesma situação mas tudo que lhe veio foi a sensação de estar girando, girando… Era como se estivesse num círculo, girando, sempre passando por aquele mesmo lugar… girando num círculo, sempre passando pelo mesmo ponto, sempre…
Abriu os olhos assustado, voltando a si. Sentia-se levemente tonto. Olhou ao redor, certificando-se que continuava ali, no cais de Barcelona, naquela manhã enevoada. Ela ainda estava abraçada a ele, no meio da pressa dos funcionários do cais. Quanto tempo se passara? Alguns segundos? Séculos?
– O que foi? – ela perguntou.
– Não sei, uma tontura…
– Há dias que você está estranho.
– Preciso ir agora.
– Tem certeza que não posso mesmo ir?
– Já falamos sobre isso, Catarina.
– E se você não voltar?
– Claro que voltarei. Em um mês ajeitarei as coisas em Lisboa e voltarei. E iremos juntos para o Brasil. Não foi o que combinamos?
– Estou com medo, Enrique… – Ela o abraçou novamente, mais forte.
– Já estão a subir as velas – ele respondeu, sentindo o vento soprar. Desfez o abraço e saiu caminhando em direção ao navio, o passo rápido, sem olhar para trás.
Minutos depois o navio começou a afastar-se e, da amurada, ele a viu acenando, sozinha no cais, no meio da névoa. E de repente foi como se ela repetisse um gesto muito antigo, feito muito tempo atrás, um aceno triste que lhe cortava a alma. Quando haviam se despedido assim?
Preciso de um trago, ele pensou, sentindo a alma pesada. E se dirigiu à cabine.
Ele não queria pensar nisso mas sabia: era só o início de uma longa e difícil viagem."

O Irresistível Charme da Insanidade (Ricardo Kelmer) – blogdokelmer.wordpress.com

Eu estava 'navegando pela net' quando fui fazer umas pesquisas sobre meus escritores favoritos até hoje. Um dos últimos livros que li foi "Quem Apagou a Luz" de Ricardo Kelmer, que foi um dos livros que mais influenciaram na minha formação moral religiosa, eu fiquei feliz de ver que utras pessoas além da minha mãe acreditava nas mesmas coisas e da mesma forma que eu. Fiquei tão absorta no livro que fiz até algumas postagens falando sobre essa condição espiritual em que eu estava e me encontro ainda hoje. 
Por acaso, encontrei o Facebook dele (Ricardo Kelmer), fiquei tão eufórica e logo adicionei, pra minha alegria ele veio puxar papo comigo (quase desmaiei), seria como se o Marcelo Rubens Paiva batesse na minha porta, ou se a Ana Carolina cantasse pra mim. Eu fico assim toda boba. 
Logo ele veio me contando novidades sobre o último livro dele "O Irresistível Charme da Insanidade", que ele fez uma nova edição e mudou um pouco trechos do livro. Que pretende até fazer um filme. 
Quero ler, assistir, quero tuuuuuuudo...