domingo, 22 de abril de 2012

Andrea Dória é meu, Titanic é seu

Às vezes parecia
Que de tanto acreditar
Em tudo que achávamos
Tão certo...
Teríamos o mundo inteiro
E até um pouco mais
Faríamos floresta do deserto
E diamantes de pedaços
De vidro...
Mas percebo agora
Que o teu sorriso
Vem diferente
Quase parecendo te ferir...
Não queria te ver assim
Quero a tua força
Como era antes
O que tens é só teu
E de nada vale fugir
E não sentir mais nada...
Às vezes parecia
Que era só improvisar
E o mundo então seria
Um livro aberto...
Até chegar o dia
Em que tentamos ter demais
Vendendo fácil
O que não tinha preço...
Eu sei é tudo sem sentido
Quero ter alguém
Com quem conversar
Alguém que depois
Não use o que eu disse
Contra mim...
Nada mais vai me ferir
É que eu já me acostumei
Com a estrada errada
Que eu segui
E com a minha própria lei...
Tenho o que ficou
E tenho sorte até demais
Como sei que tens também...

(Andrea Doria, Renato Russo)

Esse é o verdadeiro, Andrea Doria 
Além de ser uma música que é um símbolo de várias das minhas fases, Andrea Doria é algo muito singular.
Foi um navio transatlântico italiano (mas possuía bandeira sueco-americana), de 1951 (posterior ao Titanic), que em 1956 colidiu com o MS Stockholm e naufragou.
Foi batizado por esse nome por causa do Almirante genovês Andrea Doria (obviamente) da época das grandes navegações italianas pelo Mar Mediterrâneo (sabemos que os genoveses eram peritos em navegação, tanto é que fizeram o favor de ensinar o que sabiam aos portugueses que utilizaram a sapiência para chegar até aqui na América, apesar de Cristóvão Colombo ser genovês, ele estava a serviço da Espanha - vai entender).
Pois então, esse navio que foi considerado um dos mais seguros já construídos e afundou nos derredores da ilha americana de Nantucket (essa ilha, por coincidência ou não, é o cenário do último livro do Sidney Sheldon que eu li -"Depois da Escuridão").
Não é engraçado? O Titanic tem uma história similar. Só que, como todos sabem, já fazem 100 anos desde sua tragédia que foi noticiada em filmes, TV etc.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.