segunda-feira, 9 de abril de 2012

Histórias de Outono - Parte II - O Rio

E eu corri, parei de repente de frente a um rio muito estranho que desaguava no mar. Minhas vistas embaçavam. Eu tentava me despir, pra tentar respirar melhor. Mas de nada adiantava. O que me fazia sentir aquilo? Não estava mais perto de ninguém, mas sentia a presença de algo. Me observando de longe, cuidando talvez.
Eu olhava em volta, não via nada de diferente além de árvores e folhas secas. Lembrei então de um dia antes, minha pressão baixou e desmaiei, caindo com a mão esquerda dentro d'água. Quase congelei.
Abrindo os olhos o cenário era outro. Uma pessoa cheirando chiclete de menta se aproximou de mim, eu ainda não podia enxergar ninguém, mas estava em minhas faculdades mentais.
Entendi aonde estava, era um lugar amplo. Nunca estivera ali antes, mas reconhecia por alguma razão. O cheiro era tão familiar... livros... Perguntei balbuciando palavras minguadas aonde eu estava, como havia chego até ali. Não obtive resposta, apenas uma bolsa de água quente na testa, um termômetro na boca e um "shiiiu, descanse".
Descansei, quando acordei...