segunda-feira, 23 de abril de 2012

Pesadelo de menina


Amei essa música, mas ela não tem nada a ver com o que eu vou falar agora. Eu só estou com preguiça de fazer duas postagens.
Sabe, ter sonhos ruins às vezes pode simbolizar algo bom. Algo que eu realmente queira que aconteça. Sonhos ruins também podem ser o meu próprio subconsciente me avisando de algo que eu queira mudar, algo que eu deveria fazer por mim mesma. Mas sonhos ruins assustam. Me deixam fora da minha paz, do meu ânimo. Eu desenho pra tentar esquecer, mas o que eu esqueço é de dormir novamente. Será que o futuro que me espera é tão cheio de luz e felicidade, quanto os meus pesadelos são de macabra escuridão e tristeza?
Deito, faço uma oração, penso no que eu poderia fazer, penso nas pessoas que eu penso todos os dias (geralmente são só 3), penso que eu estou deixando pra trás muita coisa e deixando de dizer outras. Mas o que me assusta mais não são as tormentas ou a infelicidade do dia-a-dia. O que mais me assusta é viver presa. Seja na minha própria mente, seja na minha casa, seja em uma cama. Presa das minhas opiniões, das minhas VONTADES, presa na minha inocência, presa na vida de outra pessoa. Presa à alguma pessoa.
Odeio correntes. Odeio gente que me sufoca os ânimos e me priva a felicidade.
Odeio ter que sentir o próprio ódio, e a sensação de estar sendo injusta.
Quero tanto que meus sonhos me deixem em paz, minha mente me acalme. Mas parece que a cada vez em que me concentro pra dormir, que vou entrar em um tubo de sofrimento e agonia. Eu reino por um sono tranquilo e agradeço por acordar a salvo. É estranho porque ultimamente tem sido muito mais incidente a ocorrência de pesadelos nas minhas noites. Se passo um dia sem acordar assustada, já estranho... Eu quero dormir. Vou fazer isso agora. Boa noite. Amo você que está conseguindo ler esse texto até o final sem dormir.