domingo, 6 de maio de 2012

Cruzes! Olha que horas são!

Eu posso dizer que há várias fases da minha vida onde eu passo simplesmente vegetando. Sem consciência do que faço, e assim vou levando. Um pensamento leva a outro e o que eu espero são sinais. Sinais de verdade. Sinais que mostrem realidade. Eu pensava quando criança que seria mais simples viver, que eu entenderia tudo aquilo que eu passava noites de sono mal dormida esquentando minha cabeça, com dúvidas mirabolantes que assolam até hoje minha mente.
Me parece um pouco diferente agora que cresci alguns (3) centímetros, me parece bem mais difícil do que quando criança, pois agora eu sei que tende a piorar. Às vezes sinto vontade de dizer o quanto considero algumas pessoas bonitas e o tamanho da admiração que sinto por elas. Mas não o faço.
Só acho meio difícil de vez em quando ser um pouco mulher, um pouco menina, um pouco mãe, uma pouco heroína. Às vezes me sinto até um pouco atriz, atleta, amadora, sonhadora, desenhista e comentarista.
Me desfaço aos poucos em viagens imaginárias de uma utopia, então me embalo em um sono profundamente medonho, repleto de sonhos fantasmagóricos e assustadores. Procuro seus sorrisos mais lindos, seus abraços mais fortes, suas loucuras mais pungentes e me vejo assim...perdida novamente, como se nessa vertente de emoções eu não pudesse ser realmente salva. Me leva pra longe...me leva pra outra galáxia, nunca me resgata. Só me arrasta... Como se cada dia mais eu moro aí no teu sorriso e nos seus sonhos. Me abraça...
Eu não entendo ainda muita gente, muita cabeça e personalidade, as pessoas são difíceis de lidar, sentem necessidade de coisas idiotas como discutir valores morais. Tem me ouvido?
Quase um segundo de aflição, sem respiração, sem nem ao menos piscar, tenta entender o que digo nos meus códigos banais. Tenta entender que no fim das contas, o que realmente conta somos eu e você. Mas agora me conta, como foi que chegou até mim?
A essa altura da noite eu ainda penso. Seria melhor levar a serio os "boa noites" que recebo e ir deitar-me. Mas ao invés disso prefiro perder meu sono pensando em você.