terça-feira, 19 de junho de 2012

É tempo de mascar chicletes

Mascando um chiclete e procurando uma inspiração, eu parei pra pensar nas coisas da minha vida, decidindo o que mais me fazia feliz. Decidindo de forma espontânea o que me dava mais vontade de fazer. Parei de mascar o chiclete e comecei a filosofar:


Certas vezes em nossa vida é preciso parar pra ouvir. Ouvir as músicas do passado, ouvir os anunciantes de vento, ouvir as navetes das velhas fazendo sua renda frivolité, ouvir a conversa fiada das crianças, ouvir o choro de um adolescente, ouvir o bater das palmas quando se passa perto de uma igreja, ouvir a panela começando a pegar pressão no fogão, ouvir a pipoca estourando. Ouvir o bater de portas depois de uma briga, ouvir o som do coração e o do silêncio. Pare agora qualquer coisa que esteja fazendo e ouça. Ouça com atenção o mundo a sua volta. Tente fazer parte dele, em perfeita sincronia com os outros sons. Tire o seu fone de ouvido e cante junto com essa melodia que esta tocando perto de você.
Seja mais receptivo, seja mais doce, seja mais aberto à arte. Aprenda a ouvir o que as pessoas realmente dizem, ouça seus olhos e seu coração, e não somente a boca. Nem sempre o que dizemos com a boca é o que esperamos mostrar. Dance então. Quem sabe dançar seja mais expressivo pra você. Dance no ritmo dos carros da cidade, no ritmo das aves que migram de tempos em tempos. Dance com as garotas, dance com os garotos, ensine-os a mexer o corpo. Dance como se não houvesse amanhã. Como se dançar fosse como comer uma maçã do amor... Se lambuze.
Não gosta de dançar? Então desenhe. Desenhe o talhe de uma mulher nua, desenhe as árvores, desenhe criaturas mágicas, desenhe guerreiros que já morreram, desenhe objetos inusitados. Pinte as bordas das folhas, rabisque um traçado único e totalmente condizente com seus pensamentos. Escreva bem grande em uma folha de papel o que você mais ama, e crie em cima disso, literalmente. Veja qual seria seu resultado. Veja qual seria sua alma expressa com papel e tinta.

Se não tem talento pra conseguir fazer o que quer... Não se preocupe hoje em dia o abstrato está muito na moda. Mas pra por no papel um abstrato verdadeiro, não precisa ter somente talento, como também um espírito.
Agora esqueça os lápis, esqueça as canetas, esqueça seu corpo, esqueça seu quarto, sua vida, o vento, seus gatos... Esqueça o resto do texto. Deixe sua mente em branco, agora pense em algo. O que foi que você pensou? Agora escreva...
Escreva cartas, escreva textos, romances, crônicas, notícias, escreva em sua rede social, escreva um comentário aqui, escreva uma paródia, um conto, um poema ou poesia. Escreva uma epopeia, escreva a história da sua família, sua árvore genealógica. Escreva frases curtas ou longos textos. Escreva dados geográficos e ensinamentos da vida. Reescreva de acordo com a sua visão e interpretação trechos da bíblia. Escreva contos eróticos. Escreva o que vier na telha.
Mas depois leia! Leia os classificados, leia a bula do remédio, os créditos de um filme, leia as legendas, leia os anúncios da TV... Mas não se deixe levar por eles... Leia livros e mais livros, leia em outras línguas e beba do cálice da cultura. Agora aproveite essa sensação, de saber e ter certeza que você não é alienado no mundo. Não está longe das informações e das formações artísticas.
Primeiro aprendeu a ouvir, depois a dançar, escrever, agora a ler. Lendo você vê outro mundo dentro da sua própria casa. Aprende a imaginar e contar histórias. Aprende que as pessoas são iguais entre si, mas em essência cada qual tem o seu patoque, cada um tem seu livro. Conheça uma história a fundo. Depois desse processo de reconhecimento do universo que você passou como compreende agora as pessoas que são privadas de um desses sentidos?
Uma pessoa cega não pode ler com os olhos, mas ela lê com as pontas dos dedos, ou até com o coração dependendo da situação. O surdo, não vai ouvir nada daquilo que você contemplou, mas ele verá que você se expressa, não só com as mãos em linguagem adaptadas, mas com um sorriso, com um gesto ou olhar. E se houver aqueles que não podem dançar... Dê a esses o gosto de movimentar-se, sentir o vento é mais do que ficar parado engolindo poeira. É entender que Deus inventou o vento para o mundo inteiro dançar em silêncio, apenas em contemplação. Sempre ouvimos dizer que quando um sentido nos é tirado, outro prevalece mais forte, para suprir aquela falta. É assim então.
Vejo que depois de tanto tempo sem sentir sua própria alma artística, você rejuvenesceu pelo menos até sua infância, quando inventava brincadeiras, contava inverdades para os amigos, achava que brincar de casinha e inventar historinhas com bonecos nunca te fariam ter criatividade um dia. Ou até mesmo soltar pipa. Sinto saudades de soltar pipa. O vento fica mais colorido quando há uma pipa no ar. Ou balões. Alguém já te deu um balão? Reveja seus conceitos de presentear as pessoas, e até de receber presentes. Não há coisa melhor no mundo do que receber algo que realmente seja doce, como maçã do amor.
Isso é o que mais me faz feliz. Ouvir, cantar, dançar, ler, desenhar, tudo isso é só viver... Viver é muito legal de vez em quando.