sábado, 7 de julho de 2012

O que eu desejo, ainda não possui nome

Não era pra ser assim. Prometa nunca se apaixonar por mim. Prometa que permanecerá distante, só prometa. Prometa que a luz dos meus olhos não te fará entrar em transe, nem que meu sorriso te fará ter vontade de voar. Prometa que o toque das minhas mãos nunca serão o seu maior desejo nem o meu abraço o seu maior sonho. Me prometa mais uma coisa: prometa não amar outra pessoa, como à mim. Prometa que dessa vez é real, que dessa vez não tem volta, nem revolta. Não quero dar uma volta, quero só que você me prometa e cumpra. Não sou de meias nem de palavras, só as meias palavras já me bastam ultimamente.
Não torça o nariz. Não me rabisque de giz. Não negue seus sentimentos, deixe ser puro até esse momento. Me ligue quando eu precisar, e quando eu não precisar também. Me ame quando eu merecer, e quando eu não merecer nada. Me julgue se eu estiver errada, mas não esqueça que serei juíza também. Me faça padecer em pecados, depois faça-me redimir em divindades que nem sabe se existe. Me deixe próxima do céu, me busque de lá e me faça provar do seu mel. E me trate como uma princesa, me deixe usar vestidos, maquiagem, me deixe ser menina, moça e mulher quando eu quiser.
Me esconda debaixo de suas asas quando eu me apavorar, quando eu chorar seja tudo o que eu mais precise. Seja o abraço mais quente, seja o conforto dentro de mim. Só não vá se apaixonar assim. Não deixe que os outros saibam, não esquente as orelhas ouvindo o que todos falam. Deixe que eu te levo a algum caminho, te dou o mapa te traço um desvio, um atalho ou coisa do tipo. Te faço aventureiro. Te traço inteiro. Só não pense em mim todas as horas... Pense em você, em nós. Em tudo o que se espera de um casal convencional, mas não. Não seríamos.
Me deixe escrever coisas sem sentido. Me deixe aqui só sentindo. Me leia, me desenhe, me ouça, não me condene. Me salve. E do alto veja com vontade, veja essa vontade, de me juntar, juntar todos esses pedaços que me fazem, e ser só de você.