domingo, 21 de outubro de 2012

O que te faz tremer na base?





Há várias teorias de que o medo é uma reação natural de autodefesa, simples. Mas quando se tem medo do que é completamente inofensivo, e se tem total consciência disso? É, tenho sim muitos medos bobos, mas tenho minhas razões para isso.
Nessa semana eu estava confabulando sozinha, imaginando alguma postagem em homenagem ao dia do Halloween, que é daqui a 10 dias, pensei em fazer algo especial, aterrorizante, ou apenas falando do dia (que aqui no Brasil corresponde ao Dia Nacional do Folclore). Me parece pouco patriota comemorar o feriado alheio porém, considero a data diferente e, de certa forma, encantadora pois o que me dá medo pode não te dar medo, mas há muitos medos por aí que são comuns à muitas pessoas.
É fato (e conhecido, comentado, escrito e selado) que sou uma medrosa profissional, não só do que "realmente" deveria dar medo, como também de coisas simples do dia-a-dia. Tenho medo de borboletas (e quaisquer insetos que tenham patinhas pegajosas e pousam na gente, e nos olham com aqueles olhos espelhados e aterrorizantes...), tenho medo de palhaços (esse estou quase superando mas ainda sinto meu coração palpitar quando um cara chega fantasiado demais perto de mim, mesmo que a fantasia não seja de palhaço, pode ser até aqueles caras que fingem ser estátua humana nas praças por aí, ou a figura fantasmagórica de pessoas vestidas de personagens - como o Fofão - mas esse eu sei que é um medo comunitário), tenho medo de pontes (tenho minhas razões), medo daquelas fotos póstumas vitorianas (quem não tem? Pelo amor né gente), medo daquelas histórias que a gente lê na internet sobre maníacos, Serial Killers, e até teorias conspiratórias da sociedade, dos EUA, maçonaria, essas coisas que qualquer pessoa comum levaria numa boa.


É certo que filmes de terror servem para nos testar, testar a capacidade humana de suportar certos tipos de situação, testando nosso psicológico, fazendo-nos suar frio e... por vezes... nem dormir à noite. Todo mundo ri e diz que filmes de terror não fazem esse efeito, dizem até que riem assistindo, mas na hora que se deparam só em uma madrugada, com a casa vazia e um filme de terror... Não aguentam a pressão. Essa é uma verdade universal. Mas e o medo de fantasmas? De assombrações e monstros? Você também vai dizer que é bobagem? Que tudo não passa de invenções da mídia e blá blá blá? Eu concordo com você. São criaturas que saíram da literatura e do cinema pra fazer parte do imaginário das pessoas que acham interessante histórias do tipo.
Quanto aos fantasmas, espíritos e tudo mais... Aí já não meto meu bedelho para ir à fundo. Nas próprias religiões afirmam a existência da alma, e algumas afirmam que quando o espírito deixa alguma coisa pendente nesse plano espiritual que vivemos, ele permanece aqui. "Assombrando" a quem quiser, a quem for vulnerável a isso e etc. Você acredita? Muitos afirmam já ter presenciado paranormalidades, poltergeist, outros sentem certas presenças, vêem, ouvem... Há pessoas, perto de mim mesmo, que afirmam isso, sentem a energia por perto de alguma pessoa que já morreu, que continua perambulando por aqui, clamando por ajuda para continuarem suas caminhadas... mas alguns jamais conseguirão sair daqui, presas às pessoas, aos objetos. Tem alguns também que ficam, mas espalham sua maldade, assim como há espíritos de luz, há os espíritos do mal, que fazem questão de plantar o medo, o terror.
Eu falei antes das teorias conspiratórias que existem, algumas falam da maçonariasociedades secretashistórias que podem não te dar medo mas te fazem imaginar, pensar na realidade das coisas que existem na internet.... ou não! Há casos também de assasinos cruéis que fizeram parte da história, serial killers que fizeram o terror de algumas épocas. E pra mim o que mais dá arrepios da espinha são as aquelas fotos post mortem que eram muito comuns entre os ricos da Era Victoriana.
Mas... Deixando de lado as convenções do mundo submerso em medo, agonia e sombras, hoje é domingo e está fazendo um sol lindo lá fora.