domingo, 7 de outubro de 2012

Reclamando da vida

Minha casa tá cheia de gente esquisita que eu nunca vi na minha vida. Eu to dando uma de excludente aqui pra não cair na fúria e mandar toda aquela gente metida a besta pros quintos do inferno. To afim de dormir: muito barulho. To afim de fazer alguma coisa melhor: tem gente demais aqui. Nem sei quantas pessoas já saíram e entraram por aquela porta ali... Só sei que continuarei fazendo a linha mal educada e não vou levantar pra cumprimentar ninguém. Não to afim de colocar minha cara ali exposta pra todos olharem, nem de ser pega de surpresa por gente que não conheço. Sou tímida, introvertida e fora de moda. Só pelo naipe das conversas que estão rolando ali nos fundos de casa, me dá ânsia de vômito, não gosto de gay forçados demais que buscam a aceitação da galera sendo "o viado", batendo cabelo e tudo mais. Não gosto de gente moderninha que usa as roupas da moda alternativa, que fuma e bebe tequila, fazendo a linha intelectualidade e auto-depredação, porque isso tá na moda e é legal. É legal ser retardado. É legal falar alto na casa dos outros e madrugada.
To com um sono danado, acho que vou parar de escrever e vou ler um pouco. Ou não. Talvez eu vá fazer outra coisa. Só pra distração. Só pra não estressar ao máximo. Não querendo desmerecer o senso de humor lindo dos amigos da minha irmã, mas acho que o meu interesse nesse povo está mais baixo do que eu imaginava.... Nível de irritação: o máximo. Cheiro de fumaça de cigarro, e agora dois garotos entraram no meu banheiro... Era tudo o que eu precisava pra minha noite encerrar bem...
Não fazem a minha cabeça, nem meu estilo. Superficiais, até parece que esse monte de gente é amiga. Ninguém ali se conhece, to com tédio deles.