quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

A força do pensamento

Esses dias eu estava testando uma nova maneira de pensar, de refletir. Saí da minha habitual ritualística de pensamentos diários e me aprofundei em algo que me era completamente estranho. Eu queria mudar a minha vida, queria me sentir mais livre, confiante, mais alegre e positiva. E minha resposta estava aí: positivismo.
Eu não possuo nenhuma religião, fui criada em um meio ideológico onde eu tive que buscar a minha própria crença (sempre tive essa liberdade de escolha, mas minha mãe sempre me guiou muito bem - não no sentido religioso, mas sim no sentido de buscar pelo bem da minha própria alma e pelo bem das pessoas ao meu redor. Pois sabe-se que "fora da caridade não existe salvação" - pra quem acredita, claro). Então eu fui em busca de Deus.
Não encontrei Ele em lugar nenhum, não enquanto eu estive esperando e procurando. Encontrei Ele quando estava despreparada, quando estava distraída. Já fiz várias postagens falando sobre isso, falando sobre o que penso das instituições religiosas e a liberdade de escolha e isso pra mim nunca foi um problema - até pouco tempo atrás, mas isso já passou. Deus não pode ser medido em palavras ou em números, não pode ser comprado, não é pagando que você terá o seu milagre, não é fazendo peregrinações e clamores em busca Dele que ele vai te ouvir e fazer o que você pede. Não é assim que funciona.
Deus não está esperando você estar todos os domingos na igreja pra orar por Ele. Deus não espera que você siga todos os dogmas históricos que os clérigos dizem que devemos seguir. Deus espera apenas que você faça o bem, pense o bem, seja o bem. E como é que se faz isso?
Na própria Bíblia (aquele livrão de mais de 2 mil anos que dizem ser a palavra de Deus, mas foi escrita pelos homens e dominada,manipulada e modificada durante séculos por todas as religiões), o melhor exemplo que eu possuo para falar sobre a filosofia cristã é o Sermão da Montanha, onde Jesus Cristo (o profeta mais seguido no mundo inteiro) fala da maneira que o homem deve levar a vida pra ser correto e ter sua salvação após a morte. Mas o que isso tem haver com a minha mudança ideológica e comportamental, você perguntará. E eu digo: estou seguindo justamente o que Jesus falou. Estou tendo paciência, estou buscando a paz e a honestidade, a caridade. E não estou pagando por isso. Não estou me sacrificando por isso. Não estou fazendo correntes, nem mesmo preciso ficar rezando 24 horas por dia pra que Deus me ouça e eu tenha minha vida com/por Ele.
Eu não rezo pedindo, nem agradecendo. Porque não é necessário. Se eu estou agindo da forma correta, tudo vai bem, se meus pensamentos são positivos e as palavras que saem da minha boca não são maliciosas e possuem intensão de magoar ou atacar alguém, tudo vai bem também.
Então pense melhor sobre você mesmo. Viver em paz também é uma arte (talvez uma das mais difíceis).