segunda-feira, 1 de abril de 2013

Ritmo

Sim, esse fora um dos dois últimos temas trabalhados das duas últimas semanas de aula de Projeto Arquitetônico, na qual eu considero de extrema importância para o aprendizado e o desenvolvimento da criatividade e até mesmo de técnicas.
O primeiro tema debatido foi o ritmo, onde construímos debates e conceitos, não chegando a nenhuma conclusão concreta, mas a ideias bem completas. Sobre o primeiro, eu escrevi o seguinte (baseando-me em pesquisas em apostilas de música e na internet também) :
"Segundo o ensino musical, os sons distinguem-se pelos seus graus, do grave ao agudo e pela sua duração. Essa variação de sons fortes e fracos, de diferentes durações, ao intercalarem-se forma uma sonoridade que é composta pelos elementos: ritmo, melodia e harmonia. O ritmo, então, segundo sua lei é uma divisão ordenada do tempo. Quando ouvimos uma música, a harmonia e a melodia determinam o estilo e, por vezes, se gostamos ou não daquela música e o ritmo é o que vai nos envolver é a “batida”.
Presente na música, tendo entendido o sentido de “ritmo”, sabe-se que a música é uma linguagem (a linguagem mundial), uma forma de comunicação. Sendo assim, o rito está dentro da linguagem, da comunicação entre a arte e o homem. Essa comunicação não está presente apenas na música, está presente nas artes cênicas através da gestualização, na dança e educação dos movimentos do corpo, nas artes gráficas através de imagens, figuras etc. e também na Arquitetura através da ousadia nas edificações, no movimento que aquela construção nos passa.
O pulsar do ritmo está entranhado na alma do ser humano, no mundo todas as variações culturais conversam entre si através do ritmo, independente de ser esse o ritmo de vida, ritmo de trabalho, ritmo de saúde, ritmo musical, ritmo de produção... É esse balanço que faz nossas vidas conversarem, pois a vida cotidiana está rodeada de acontecimentos rítmicos, desde a primeira batida do coração até a respiração.
Esses acontecimentos rítmicos foram cruciais para toda a história do homem, a própria criação do relógio dependeu das variações de tempo que o corpo mostra, como o sono, a fome e outras necessidades fisiológicas. Trabalhar o ritmo propicia a qualidade do movimento, o aperfeiçoamento da coordenação, possibilita o desenvolvimento da criatividade, facilitação da expressão em todos os sentidos, entre muitas outras coisas. Qualquer intervenção artística feita baseada no tempo possui ritmo, um exemplo muito bom, pode ser um poema."
 
Aí eu dei o exemplo de um dos poemas da minha linda mamãezinha: Esse aqui!
E na aula, após o debate, fomos instruídos a fazer uma composição abstrata, já tendo em mente as aulas anteriores (liberdade), sendo que a composição não poderia conter uma base, ângulos, ser fechada, ser virada para baixo, entre outras coisas... O resultado foi esse aí:


Não se assuste, a intenção da minha composição é justamente a abstração e a liberdade da criatividade, do pensamento, além de ter a obrigatoriedade de transmitir a ideia de ritmo. Como transmitir uma coisa, em forma abstrata, sendo que em si, esse tema já é uma abstração. Sim, essa aula é um nó nos miolos, por isso que eu adoro. 
De início, meu projetinho estava todo ritmado, literalmente, porém eu esqueci da liberdade. O professor Lima Bueno sentou comigo e me mostrou aonde eu estava errada e, em todos os sentidos, passou a tesoura no negócio que eu fiz. E reconstruí ele de forma bem diferente, colando as pontas que foram cortadas aleatoriamente, finalmente conseguindo por para fora o meu conceito sobre ritmo e liberdade, juntos!