quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Enquanto as cabeças batem entre si

Eu finjo me esconder na solidão da escuridão que existe entre os meus olhos e as minhas pálpebras. Mas me esqueço da vida, de sorrisos, me esqueço aos poucos quem sou eu e o porque da minha existência (será que isso realmente existe?). Se sim ou se não eu não sei.
A única coisa que eu sei é que quando me deito na cama não é para dormir. É para desmaiar de exaustão, parar de pensar por uns minutos e mergulhar em profundos sonhos surreais que tem me tirado a energia ultimamente. Eu só preciso da paz que a certeza nos traz. Eu só queria ter um ponto em que me firmar e saber que não estou nadando à toa, que a minha vida não é inútil, que eu não perdi tempo na minha vida. Eu só quero um pouco mais de paciência.
Esse não era o assunto que eu iria escrever agora, era pra ser mais festivo, mas não deu... não hoje. Me perdoe. Parabéns pelo seu dia.