sexta-feira, 21 de março de 2014

La dolce vita

Pode parecer piegas eu vir aqui, justo hoje, escrever. E clichê também, só porque passei por um daqueles momentos "vida e morte". Eu me sento e sinto o ar entrando e saindo do meu corpo e isso me dá orgasmos múltiplos, só de pensar no quão delicioso é respirar. O quão bom é viver e comer, dormir, tomar café, amar etc.
Não estou falando essas coisas porque estou viva e bem, mas porque após um trauma nós temos a necessidade de modificar algo dentro de nós e sinto que preciso disso. Então digo agora: vou comer sem pensar no tamanho da minha barriga, vou dormir sem pensar nas coisas que eu tenho que fazer, vou estudar para ser boa no que faço e nunca para causar acidentes ou diminuir as outras pessoas, vou trabalhar, mas não vou me matar de trabalhar, vou namorar mais, beijar mais, rir mais, beber sem dor na consciência, desenhar toda e qualquer coisa que me der na telha, aprender a tocar aquelas músicas que eu nunca consegui tocar inteiras, comprar um patins e andar de patins. Enfim, vou fazer as coisas que eu estou com vontade.
E se você quer fazer isso comigo, não se acanhe, segure na minha mão e venha comigo, eu sei o caminho, não vou deixar você se perder.
Até logo.

Tava ouvindo essa música no momento do acidente.