terça-feira, 21 de outubro de 2014

Enigma

Amor não é obsessão,
É tormento que nasce
E vive quieto no coração
Não se reprime, é soberano
E quando chega é como se chegasse
Um fogo ardente, paixão
Incontrolável sentimento insano.

Amor, não é prêmio,
Nem tampouco castigo,
É coração que renasce
Dia a dia, hora a hora
No peito que sorri consigo
E na lágrima que nasce
Da saudade que chora.

Amor, é volúpia, é pecado
É medo, é alegria e candura
Amor, é presente e passado
Que se infiltra, vida afora
Na alma, gozo e amargura
É sorriso que canta e chora...

Amor, é divino e carnal
Sofrimento e recompensa
Caminho, e às vezes perdição
Amor é tudo, queima e faz mal
Na vida e no sonho se condensa
Amor, é cruz fincada no coração. 

Ninguém até hoje soube explicar direito o que é amor, e todo coração pulsa, vive e morre por ele, amor é tudo... Ninguém ama porque, mas apesar de.
"Para duas rosas no caminho!"

(M.A.B. - Barretos, 22 de agosto de 2014)