quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

A perfeição do imperfeito

Em que pé estamos? Um mundo feito de ambição e impessoalidad, escravidão. Uma história severa, marcada nos ombros dos trabalhadores braçais. Escrita com sangue da menstruação das mulheres mortas e o com o líquido amnióico de natimortos que se foram por culpa da ignorância.
Eu prefiro o pé. Em pé de igualdade, em pé de tranquilidade. Não troco minha paz por qualquer coisa. Não troco minha consciência por algo. Não quero "vencer" na vida ou "chegar lá", quero apenas estar aqui, viva e em sã consciência, ccerta de que o meu papel é não afogar nesses perigos. 
Todos tem o direito de querer seja lá o que for. Eu só desejo a paz, o amor.
A minha maior ambição é a quietude, o silêncio e a paz de espírito. Aquela sensação estranha de satisfação que se tem depois de concluir algo grandioso. Coisas que não se conquistam por dinheiro ou pisando em pessoas. Eu sou humana, não piso em ninguém, não uso ninguém, não agrado ninguém que eu não gosto só por ela poder ser útil pra mim algum dia. 
Eu não gosto de gente inescrupulosa, que cospe suas mentirosas desculpas de agradabilidade e amabilidade. Não gosto de ladainhas e fofocas. Se for pra falar mal de alguém, pense sobre si mesmo antes. Ninguém é perfeito, nem mesmo você.