sexta-feira, 12 de junho de 2015

A você, que me ama.

Se hoje sou feita de amor (próprio e para com os outros) é porque aprendi, com você, a conhecer melhor a essência das coisas vivas. A virtude da paciência, o controle e libertação da libido (e não somente com a ajuda de uma taça de vinho), você que sabe de mim, eu que sei de você.
Em todas as nossas peripécias, já faz certo tempo que amamos-nos com nossas imperfeições. Por isso nós somos perfeitas. Entregas e companheirismos, carinhos e romance. Discussões infundamentadas, calores humanos, colores humanas, amores mundanos. Você que sabe tanto do que eu gosto, eu que sei tanto do que você não gosta.
Tantos por quês e tantas noites apaixonadas, deitada nos seus braços, bebendo das suas virtudes. Você é. É e sempre será. E é por isso que amo-te. Sem freios, sem vírgulas, sem o porém, sem roupa. Nossas lembranças ainda estão vívidas, por tão curta convivência, pra mim esse tempo ininterrúpto é pouco e precisamos de mais!
Suas mãos, seu olhos, seus beijos e seios e abraços e cabelos e lábios e unhas nas minhas costas, seus dedos na minha... pele.
Você é o começo e o meio, você pode ser o fim. Pode ser a continuação. Pode ser o aumentativo e o diminutivo. A inquietação da minha alma, a razão mais forte que eu tenho para prosseguir. A mulher mais mulher que eu já vi. A megera indomada, a carne, a luz, o fogo, o "concordar" e o "discordar" que fazem parte do meu ser, do meu espírito. A melhor e a pior parte do "apaixonar-se".
Lembro-me das estrelas naquele quarto azul e das meninices que aprontávamos. Eram tão boas as descobertas, as maluquices e medos. Aquelas preocupações se foram e com isso vieram as dores de cabeça da nossa fase "quase adultas". Somos suas meninas que aprenderam a viver juntas, que cresceram e superaram o que temiam juntas. Hoje sou mulher, sua mulher. E gosto de quando você me pega pelos cabelos e me morde o queixo, me faz jurar ser sua pra sempre. E eu juro. Sem medo. Sem pudor.
Falando assim, até parece que vivemos à base de sexo, mas estamos com a lua em quarto minguante, em uma sexta-feira, dia 12. Dia das namoradas se amarem terna e loucamente.
No mais, lembre-se e resgate todas as vezes em que se sentir solitária: eu estou aqui por e com você. Eu sou o que você precisar. E o respeito, o amor e o cuidado nunca vai mudar, pelo contrário, irá sempre almentar. em face do que já vivemos, até que estamos bem. Bem demais e tenho que agradecer por todas as manhas e manhãs. Por todas as marcas e fotos e cuidados que teve comigo. Sinto uma profunda gratidão por ter a chance de dividir meus segredos e a minha vida com você. É um privilégio e um prêmio.

Eu amo você, amo suas crendices, seus defeitos (não sei nem quais), suas qualidades (faria listas e listas), suas pidas péssimas, seus dramas, suas duras, seus ensinamentos, suas aulas de anatomia (não é no duplo sentido), seus dentes e sua covinha, suas dobrinhas, seus pelos, seu apelos, suas cerimônias, suas anedotas, seus 20 anos, suas pernas longas, seus gostos pra música, e seu péssimo gosto pra filmes, sua língua, seus medos, sua coragem, as coisas que só sei ler nos seus olhos (os dois), as mensagens lindas que só eu já ouvi do seu coração. Tanto pra falar, mesmo nem precisando (você lê a minha mente, você me lê). Te amo com tudo e mais um pouco: Geany.